Ultraprocessados: The Guardian divulga estudo

Postado em 07/03/2018 |

07/03/2018

“Metade de toda a comida comprada pelas famílias no Reino Unido é ultraprocessada” diz o título da reportagem de Sarah Boseley para o inglês The Guardian. A matéria ouviu o professor Carlos Monteiro, da Universidade de São Paulo, que liderou o estudo Living Costs and Food Survey 2008, pequisa de especialistas em nutrição global que nos revela agora a escala da nossa evolução alimentar, desde a produção agrícola até a fábrica. A “comida real” foi substituída por lanches salgados e cereais açucarados, pão e sobremesas produzidos industrialmente, pratos preparados e carnes reconstituídas ao lado de refrigerantes adoçados.
 
O estudo de 19 países europeus foi publicado este mês em uma edição especial da revista Public Health Nutrition e mostra que as famílias do Reino Unido compram mais alimentos ultraprocessados ​​do que as outras famílias européias totalizando 50,7% da dieta. A Alemanha ficou em segundo lugar, com 46,2% e depois a Irlanda com 45,9%.
 
“A tendência é clara. Os alimentos ultraprocessados ​​podem parecer atraentes e são projetados com gostos doces ou salgados que nos fazem querer mais. Mas não há nada nutritivo sobre eles. Se você consumir pela manhã os cereais Froot Loops, por exemplo, mais de 50% é açúcar, não há fruta. Os alimentos ultraprocessados ​​são essencialmente novas criações da indústria de alimentos com ingredientes de baixo custo em um produto muito atraente”, disse Monteiro.
 
Jean-Claude Moubarac, professor de nutrição da Universidade de Montreal no Canadá, que trabalha com Monteiro, disse que descobriram que os alimentos ultraprocessados ​​”têm uma qualidade nutricional muito baixa em termos de quantidade de açúcares livres que contêm e sal de sódio [sal ] e gorduras saturadas e tendem a ser muito menores em proteínas, minerais e vitaminas “. Eles também são altos em calorias. Sua pesquisa mostra que a ladainha repetida constantemente pela indústria alimentar e adotada pelos políticos – de que “não há como comida ruim, apenas muita comida” – está errada, disse.
 
A professora Corinna Hawkes, diretora de política alimentar da City University London e uma das principais pesquisadoras da unidade de política de pesquisa de obesidade financiada pelo governo, concorda que devemos tentar reduzir nossa dependência de alimentos ultraprocessados: – “Precisamos de mudanças na nossa cultura alimentar e as crianças precisam aprender a gostar de alimentos reais, inclusive aqueles que são amargos. Somos responsáveis ​​por uma sociedade em que os jovens precisam aprender a gostar de alimentos saudáveis. Todas as mulheres grávidas e cuidadores que dão guloseimas às crianças e idosos precisam ter um educação adequada em torno disso “, disse Corinna.
 
O outro lado
 
As empresas de alimentos dizem que seus produtos podem ser consumidos como parte de uma dieta equilibrada e saudável e que eles estão fazendo mudanças para permitir que os consumidores façam escolhas mais saudáveis. A Kellogg’s, citada na reportagem, disse que o cereal Froot Loops na Europa é feito de “grãos naturais e contém apenas cores naturais” fortificado com vitaminas adicionadas.

fonte: Abrasco

Navegue no portal

O Portal da Asbran está sempre com novidades para melhor atender você. Aqui você vai encontrar muita informação, acessar publicações, resgatar a memória e conferir o calendário de eventos.

TÍTULO DE ESPECIALISTA

em nutrição

CONBRAN

congresso de nutrição

CANAL ASBRAN

vídeos

MEMÓRIA ASBRAN

nossa história

REDE ASBRAN

associe-se

REVISTA DA ASBRAN

eletrônica

AGENDA DA NUTRIÇÃO

eventos programados

PRONUTRI

nutrição clínica